26 de dez de 2013

Incoerência

"...porque meu povo se perde por falta de conhecimento..."
Oséias 4:6
"O temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Os insensatos desprezam a sabedoria e a instrução"
Provérbios 1:7-8

A palavra 'conhecimento' do primeiro versículo citado é do original hebraico "dahath"(transliteração), e é a mesma usada no versículo de Provérbios para 'sabedoria'.

Portanto podemos ligar os dois versículos e entender que o conhecimento que nos dá luz para não cair na corrida que nos foi proposta (vida cristã), na verdade não é um conhecimento lógico e humano, nem linear e com o "preto no branco", mas é uma sabedoria divina que se inicia no temor do Senhor.
Toda prática e decisão de nossa vida precisa ser resultados de ouvir do Espírito Santo.

Sabendo disso gostaria de escrever sobre um tema recorrente na história da igreja que sempre ressurge no final do ano quando se comemora o Natal.

Agora que ele já passou, talvez seja mais confortável "levantar a lebre".
O fato é que muitos cristãos não sabem bem como se comportar diante dos perigos do paganismo que obviamente entraram na comemoração do nascimento de Jesus. Entre tantos aspectos devo citar o principal: o consumismo. Porém há outros como os símbolos polêmicos: papai Noel, árvore de Natal, guilanda etc...

Pra começar a conversa a Data já é um problema (hehehe), mas a questão que gostaria de ressaltar não é focada em nenhuma dessas críticas comuns, mas no assunto em geral.

Este assunto precisa ser repensado por todos os Cristãos. 
Não é um assunto novíssimo, e já tem adeptos para esta purificação há muitos anos, portanto precisa ser considerado sim.

Lembre-se que sempre Deus fala à uma minoria desprezada: José, Elias, João Batista. Até Cristo foi minoria!

Muitos podem retrucar dizendo que não há necessidade de purificar nada porque a simbologia não exclui a fé e além do mais, está tudo tão errado... E justificativas não vão faltar, eu sei.

Como somos irmãos em Cristo, gostaria de usar minha liberdade fraternal e dar minha contribuição à resolução desta questão com alguns aspectos práticos:

1 -  Você deve obedecer a voz de Deus para viver e tomar suas decisões. Ouça de Deus;
2 - Deus nunca é incoerente à sua Palavra;
3 - Se você não pára para orar, ouvir de Deus, e Ler a Palavra regularmente, duvide seriamente de suas convicções;
4 - Se suas decisões não visam dar glória ao Filho de Deus, mas satisfação pessoal ou a outras pessoas, você está errado;
5 - Se você tem buscado a Deus, e há um peso em seu coração a respeito de mudar algumas práticas, procure saber que provavelmente Deus está falando com outros próximo de você a mesma coisa. Converse mais e ponha em prática. Deus se move no Corpo de Cristo.
6 - Se você é casado, aja em comum acordo. Se você tem convicção de que algo precisa mudar, ore pedindo intervenção divina e de passos com sabedoria que vem de Deus.

Então você pode perguntar: Ok, mas qual a diferença entre montar ou não uma árvore de Natal em casa? Qual a diferença entre cantar ' Rá Tim Bum' no aniversário do meu filho? Entre tantas questões...

A resposta está no fruto desta prática. 

Para o que isto te leva?
Nada neste mundo é neutro, ou para edificação ou para destruição.

Na minha opinião, uma árvore de Natal em casa não serve para me levar mais para perto de Cristo (que aliás, está vivo, ok?), muito menos para meu filho, e só estimula o consumismo desenfreado deste século.
Agora imagine você tentando evangelizar um muçulmano dizendo que aquela árvore e esse monte de propaganda com um suposto Noel, não tem nada a ver com a história de Jesus, mas ao mesmo tempo você engole tudo? Isto é uma completa incoerência. 

Cantar 'Rá Tim Bum', pra mim é como discutir erro de português: Pode estar escrito errado, mas não muda o sentido da frase. Se no contexto da comunidade de onde eu vivo isto não tem significado negativo, não há problema em cantar.
Desde que parei para pensar no assunto, considero aquilo como uma Onomatopéia de fogos de artifício (figura de retórica que consiste na imitação aproximada entre o som).

Há também outros assuntos, situações ou partes da nossa vida em que simplesmente ainda não deixamos Deus tocar e assim vamos vivendo no embalo do mundão.

Como já disse acima, precisamos separar tempo para aprender a ouvir de Deus porque no livro do profeta Oséias Deus mesmo diz que perecemos por falta da sabedoria d'Ele.
Nossa ruína (Cristianismo geral) está na falta de conhecermos o Jesus que está vivo e mal é lembrado no Natal.

Vamos ouvir d'Ele?